Introdução: Estudos têm demonstrado a importância de se realizar uma Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) eficiente. Muitos são os fatores que podem interferir na qualidade da RCP.

Hipóteses: Nós hipotetizamos que estudantes de medicina com Índice de Massa Corpórea (IMC) normal realizariam as manobras de RCP melhor comparados àqueles com IMC acima do normal.

Materiais e Métodos: Foram treinados 82 estudantes do primeiro ano de medicina, através do curso da American Heart Association - “Familiares e Amigos RCP a qualquer hora”.  Após quatro semanas do curso, foi pedido para que os mesmos alunos realizassem dois minutos de compressões torácicas contínuas no manequim Resusci Anne Skill reporting e em seguida foi medida a altura e o peso de cada um, calculando por fim seus ICMs. A qualidade das compressões torácicas foi comparada entre estudantes com IMC normal (Grupo A) e sobrepeso e obeso (Grupo B).

Resultados: A distribuição dos estudantes, considerando o IMC foi 65.9% com IMC normal (Grupo A) e 24,5% com sobrepeso, 4,8% com obesidade grau I e 4,8% com obesidade grau II (Grupo B). A média de idades do grupo A e B foi 20,2 ±2.7 e 21.6 ±3.7, respectivamente. Não houve diferença significativa entre os sexos de ambos os grupos (46.3% e 63%, p= 0.314 para sexo masculino, respectivamente). O número total de compressões (189.9 vs. 188.1), a média da frequência de compressões/minuto (93.8 vs. 92.6)  e a correta posição das mãos (173.3 vs. 164.5)  também não revelaram diferenças significativas (p=0.7569, p=0.6783, p=0.6145, respectivamente). A média das compressões torácicas com profundidade adequada durante os dois minutos foi diferente entre os dois grupos: 43.4 (22.5%) no Grupo A e 90.3 (47.9%) no Grupo B, p=0.0004.

Conclusão: a profundidade das compressões torácicas foi melhor no Grupo com sobrepeso, embora não seja ainda o ideal. Nenhuma diferença da média das compressões por minuto e da posição correta das mãos foi observada entre os dois grupos. Esses resultados reforçam a necessidade de dispositivos que mensurem a profundidade das compressões torácicas durante a realização das mesmas.