Hipóteses: Nós hipotetizamos que a qualidade de compressões torácicas usando feedback de profundidade, frequência e posição das mãos é superior quando não os utiliza.

Métodos: Os voluntários foram compostos por estudantes de medicina do primeiro ano. Após ser ministrado o curso RCP Familiares e Amigos® os voluntários foram randomizados e divididos em dois grupos. Cada grupo realizou um minuto de compressões torácicas contínuas no manequim Resusciane com PC Skillreporter System®. O Grupo A realizou compressões em qualquer feedback e o Grupo B utilizou feedback de frequência (metrônomo em 110 bpm), profundidade (gráfico de compressões) e posição correta das mãos (indicador visual).

Resultados: O Grupo A e o Grupo B foram compostos, respectivamente, por 57 e 54 voluntários, 37% vs. 45% daqueles eram do sexo masculino (p=0,267), média de idade de 19,8 ±2 vs. 21,2 ±3 anos (p=0,072) e índice de massa corpórea de 23,1 ±3 vs. 23,4 ±3 kg/m(p=0,384). Comparando a realização de um minuto de compressões torácicas contínuas do Grupo A e Grupo B foram obtidos os seguintes resultados: a média do total de compressões (126 ±18 vs. 120 ±15 compressões, p=0,10), média da frequência (124 ±18 vs. 111 ±4 compressões/minuto, p=0,001), média de profundidade (44 ±10 vs. 52 ±6 mm, p<0,001), média do porcentagem de compressões torácicas com profundidade adequada (41,4% ±43 vs. 70,0% ±37, p=0,009), média de porcentagem de compressões com posição das mãos correta (92% ±27 vs. 98% ±8, p=0,117) e média da porcentagem de compressões com nenhum erro (37,1% ±41 vs. 64,5% ±36, p=0,008). 

Conclusão: Diferença significativa entre os dois grupos foi observado nos parâmetros de média da profundidade, compressões com profundidade adequada e compressões com nenhum erro. Esses parâmetros são muito importantes para a realização de compressões eficazes e adequada RCP demonstrando que mecanismos de feedback contribuem para aumentar a pressão de perfusão coronariana durante a RCP e consequentemente aumentando a taxa de sobrevida.