Hipótese: Nós hipotetizamos que estudantes do primeiro ano de medicina realizem dois minutos de compressões torácicas contínuas com pior qualidade do que aquelas realizadas por socorristas leigos que recebem treinamento de Heartsaver DEA RCP®, no mínimo a cada dois anos.

Métodos: Os voluntaries inicialmente receberam o curso Heartsaver DEA RCP®. Após aproximadamente 30 minutos eles realizaram dois minutos de compressões torácicas contínuas no manequim Resusciane com PC Skillreporter System®.

Resultados: Ao comparar os 76 estudantes de medicina com os 74 socorristas treinados, a média de idade (20 vs. 40 anos), o sexo masculino (54% vs. 92%), a média de índice de massa corpórea (24.9 vs. 27.3 kg/m2), a realização de atividade física (55% vs. 36%) apresentaram diferença significativa, p<0.01, p<0.01, p<0.01 e p=0.04, respectivamente. Em relação à qualidade de compressões torácicas, a média da frequência (121 vs. 124 compressões/minuto), dute cycle (47% vs. 45%), a porcentagem de compressões com posição da mão correta (87% vs. 90%) e a média de profundidade (45 vs. 49 mm) não mostraram diferença significativa, p=0.05, p=0.06, p=0.32 e p=0.10, respectivamente. Entretanto, a porcentagem de compressões com profundidade adequada (43% vs. 58%) e a porcentagem de compressões sem erro (36% vs. 50%) revelaram diferença significativa, p=0.01 e p<0.01. 

Conclusão: Os resultados mostram que parâmetros importantes das compressões tiveram diferença significativa, demonstrando que embora sendo socorristas leigos, o treinamento constante e ressuscitação cardiopulmonar permite a realização de melhor qualidade das compressões, o que também deveria ocorrer com os estudantes de medicina.