“O que fazemos aqui na Escandinávia para desenvolver o treinamento com simulação é algo inédito”, afirma Lotta Lyden, enfermeira especializada e coordenador de operações do Centro de Cursos do Serviço Médico do Exército (FSAN). Para aumentar a sensação de realidade na treinamento prática, foi desenvolvido um novo conceito no interior de um prédio de cirurgia. "Começamos a realizar o treinamento com simulação em escala real em setembro de 2008. Aqui podemos, por ex., construir trincheiras simuladas e aplicar requisitos como fumo, luz, calor e odores. Os manequins são pintados e colocados de modo que pareçam pacientes com lesões reais", comenta Lyden.

Preparação para Simulação

Antes dos participantes entrarem na sala de simulação, recebem informações gerais sobre o incidente que foi produzido, mas não são revelados os detalhes. Deste modo os soldados têm, pelo menos, uma idéia do que lhes espera no outro lado da porta. Os cenários são supervisionados sempre pelos instrutores que prestam atenção especial à atuação dos soldados e lhes proporcionam atendimento e orientação durante o treinamento. Os instrutores também apresentam desafios aos participantes se consideram que isto irá melhorar o resultado da aprendizagem. "Uma simulação eficaz depende da competência do instrutor, de sua experiência e da capacidade de desenvolver cenários. Como cada cenário é adaptado aos distintos grupos e categorias de pessoas que necessitam treinamento médica, consideramos cuidadosamente os antecedentes profissionais dos participantes, se participaram ou não operações dentro ou fora do país ou se, talvez, participaram em projetos especiais, na hora de projetar os cenários", explica a coordenadora.

Flexibilidade 

O FSAN utiliza na treinamento o simulador SVA (Suporte Avançado à Vida) e o manequim SimMan. "É fantástico que o FSAN tenha investido recursos na treinamento médica aqui em Sessvollmoen. Agora podemos utilizar o manequim para manter nossos conhecimentos e ensinar a outros", afirma a tenente Hanne Gjøs, participante do curso, líder da seção para o Serviço Médico do Exército HMKG. "Quando você conhece todos os aspectos, é surprendente ver todas as opções que oferecem um manequim como este".

O Manequim Responde

A diferença principal entre o treinamento com pessoas vivas e o treinamento com manequins é que com os manequins é possível executar procedimentos como introduzir tubos de tórax, realizar descompressões e intubação. "Pode-se tomar a pressão do manequim e observar a elevação do peito durante a respiração. O instrutor se certifica de que as constantes vitais que aparecem no monitor correspondem ao tratamento proporcionado pelos participantes. Tudo isto ajuda os participantes a avaliar e reavaliar a condição clínica do paciente e aprender a responder de um modo eficaz e seguro", explica Lyden.

Perspectivas Futuras

É importante olhar em direção ao futuro. Nos dias de hoje os jovens utilizam a intreinamento e as tecnologias de comunicação de um modo totalmente novo e distinto ao de somente uma década atrás. "Nosso desafio consiste em nos manter atualizados para poder fazer frente ao futuro com métodos de formação oportunos", conclui Lotta Lyden.