História – Laerdal Ontem e Hoje

História – Laerdal Ontem e Hoje

Åsmund S. Lærdal, inovador e fundador da Laerdal Medical AS, iniciou a empresa nos anos 40 com uma pequena editora especializada em cartões comemorativos e livros infantis. A empresa logo expandiu para a fabricação de bonecas e brinquedos de madeira. Pioneira em plásticos leves no início dos anos 50, a Laerdal produziu milhões de bonecas com movimentos realísticos e carrinhos de brinquedo "compatíveis ao uso doméstico".

O conhecimento obtido a partir dos brinquedos produzidos abriu novas portas dentro de simulações de ferimentos reais. Primeiros socorros e medicina de emergência com ênfase em treinamento se tornaram nosso principal campo de atividade. A mudança do foco comercial é simbolizada com uma garota que morreu no final de 1890.

A Garota do Rio Sena
Na passagem do século XIX, o corpo de uma jovem garota foi retirado do Rio Sena em Paris. Não houve nenhuma evidência de violência e foi assumido que ela tinha tirado sua própria vida. Devido sua identidade não poder ser determinada, uma máscara mortuária foi feita; isto era costumeiro em tais casos. A jovem beleza delicada da garota e o sorriso suave adicionaram o enigma de sua morte.

Histórias românticas que especularam neste mistério foram publicadas. Conforme uma delas, sua morte foi o resultado de um romance não correspondido. Esta história tornou-se popular em toda a Europa, visto que fez reproduções de sua máscara mortuária.

 
Da Máscara da Tragédia ao Beijo da Vida
Gerações mais tarde, a garota do Rio Sena foi trazida de volta à vida quando Åsmund S. Lærdal começou o desenvolvimento de um treinamento real e eficaz, auxiliando a ensinar a ressuscitação boca a boca.

Movido pela história da garota tão tragicamente levada pela morte prematura, ele adotou a máscara dela para a face de seu novo manequim de treinamento em ressuscitação, o Resusci Anne. Devido estar convencido que se tal manequim fosse de tamanho real e natural, os estudantes seriam melhores motivados a aprender o procedimento de salvar vidas.

O Bom Samaritano
Com a introdução do manequim Resusci Anne, a empresa se dedicou a avançar na causa da ressuscitação e cuidados de emergência. A produção de brinquedos não foi enfatizada e, por conseguinte, um novo logotipo foi necessário para refletir nossa missão.

A imagem a ser nosso emblema é um ancião – o Bom Samaritano. Nosso logotipo retrata a narrativa do viajante cuja compaixão e cuidado abnegado salvaram a vida de um estranho. Sua atitude, empatia e ações são nossa inspiração para qualquer coisa que façamos e desenvolvamos.

Décadas de Desenvolvimento
Nos anos 60, a medicina de emergência pré-hospitalar começou a ser vista como uma extensão do tratamento hospitalar avançado. Para aumentar a utilidade prática destas idéias, a Laerdal Medical desenvolveu equipamentos portáteis de facil uso para ventilação e controle de vias aéreas, e começou uma tradição em oferecer equipamentos junto com soluções complementares de treinamento.

Em 1980 foi fundada a Fundação Laerdal para Medicina Crítica. Ao longo dos anos, tem sido capaz de suportar um considerável número de pesquisas, educação e projetos de publicação.

Nos anos 80, a desfibrilação precoce foi considerada decisiva em aumentar o índice de sobrevivência de parada cardíaca pré-hospitalar. Isto despertou o desenvolvimento de nosso desfibrilador semi-automático Heartstart, permitindo o pessoal de ambulâncias com treinamento básico prestar seu tratamento no salvamento de vidas.

Nos anos 90, nosso colar Stifneck forneceu novas possibilidades para prevenir ferimentos desnecessários e incapacidade devido a lesões da coluna cervical.

Em janeiro de 2000, a Laerdal expandiu sua colaboração com a Medical Plastics Laboratories Inc. (MPL) baseada no Texas ao adquirir esta inovadora e estimulante empresa. A empresa é agora chamada Laerdal Texas onde renomados produtos são produziso, como o SimMan. Ao adquirir a MPL, novos canais para vendas e distribuição se abriram, e a estreita cooperação com a organização Laerdal em Nova Iorque reforçou a posição já forte da empresa no mercado dos EUA.

A Laerdal está em contínuo desenvolvimento e tem sido capaz de conduzir o mercado com o desenvolvimento de produtos inovadores. Em 2002, a Laerdal iniciou sua colaboração com a Sophus Medical baseada na Dinamarca quando visou produtos interativos de treinamento médico. Durante 2003 a empresa foi totalmente adquirida e agora é chamada Laerdal Sophus. A empresa lidera o campo de treinamento em micro-simulação, sendo que lançamentos de produtos abrangentes cobrindo programas educacionais em micro-simulação para segmentos pré-hospitalares, hospitalares e militares ocuparam espaço no primeiro semestre de 2004.

Como uma extensão natural da micro-simulação, a realidade virtual tornou-se de interesse para a Laerdal Medical em completar a lista de produtos. Posteriormente em 2004, a Laerdal adquiriu a propriedade intelectual e transferência de pessoas da SimQuest. Este grupo é agora chamado Laerdal DC e irá produzir uma gama inovadora de produtos de realidade virtual. O primeiro produto – braço com acesso intravenoso – foi lançado no verão de 2004.

Para reforçar os itens de terapia e a posição da empresa dentro desta gama de produtos, a STI foi adquirida em junho de 2003. Esta aquisição conduziu a uma linha de terapia mais completa, agora estando apta a oferecer soluções dentro da fixação de tubos e uma linha mais ampla de imobilização espinhal. Em março de 2004, a Laerdal celebrou a abertura oficial de uma nova fábrica na China. A nova fábrica irá permitir a empresa estar melhor preparada para o futuro ao fornecer não apenas instalações de qualidade no Extremo Oriente, mas também acesso ao mercado em rápido crescimento da China.

Diversidade Dedicada
Hoje a Laerdal Medical se dedica a auxiliar a salvar vidas com produtos para treinamento em RCP, supervisão de vias aéreas, treinamento em suporte avançado à vida, restrição de movimento espinhal, treinamento em trauma, monitoração, desfibrilação, simulação de pacientes feito para utilizar técnicas de treinamento tradicional básico, intermediário e avançado, combinado com micro-simulação e realidade virtual.

Fundador Åsmund S. Lærdal
Åsmund S. Lærdal, inovador e fundador da Laerdal, iniciou nossa empresa nos anos 40 com a fabricação de bonecas e brinquedos de madeira. O negócio logo expandiu em manequins de ressuscitação e posteriormente na área de primeiros socorros e medicina de emergência.

Futuro
O que o futuro nos reserva em termos de novas soluções de produtos Laerdal irá depender em muito do que possamos aprender da ciência médica de amanhã. A evidência pertinente à sobrevivência nos ajuda a entender como podemos ampliar, aprimorar e adaptar adiante nossas soluções a fim de alcançar a meta ilustrada na Fórmula Utstein de Sobrevivência, ou seja, o aumento nos índices de sobrevivência

50 Anos Desenvolvendo Necessidades e Soluções

A necessidade de um auxílio no treinamento igual à vida real como por ex. na respiração boca a boca, bem como na capacitação de socorristas voluntários a dar vida a uma pessoa "morta", levou a Åsmund S. Lærdal, junto com o Dr. Dr. Bjorn Lind e o Dr.Peter Safar a desenvolver o manequim Resusci Anne.

A primeiras diretrizes da AHA/JAMA para RCP em 1974 recomendavam que pessoas leigas também deviam aprender a RCP por completo. O Recording Resusci Anne permitiu o "treinamento até a perfeição", o qual registrou a qualidade da RCP em uma tira de papel.

Nos anos 80, a Associação Americana do Coração apresentou o critério para obter a certificação em RCP com 90% de desempenho conforme a diretriz. O SkillMeter Resusci Anne foi desenvolvido para satisfazer a necessidade de medições e avaliações quantitativas da RCP em tempo real.

Nos anos 90, houve muito foco em práticas de suficiência com participação interativa. O Little Anne foi introduzido (1995) como um simulador complementar a fim de atender a necessidade de uma menor relação aluno-manequim.

Nos anos 2000, com a crescente preocupação na segurança de pacientes e o custo benefício, o foco foi ampliado para a simulação de pacientes e a aprendizagem autodirigida como meio de ter mais prestadores de cuidados médicos treinados em uma maneira segura e eficaz. O lançamento do SimMan com mais de 30.000 unidades instaladas em 13 anos, possibilitou o desenvolvimento e popularização da Simulação. A pesquisa também demonstrou que até mesmo profissionais performam RCP com pouca qualidade e que a medição e a avaliação auxiliam a melhorar o desempenho em RCP. O SimMan 3G é a culminação desta experiência, criando no mercado uma simulação de pacientes mais duradoura e compatível ao usuário.